Skip to content

Instantly share code, notes, and snippets.

Embed
What would you like to do?
Sete Atitudes para Hackear a Indústria de Software
Sete Atitudes para Hackear a Indústria de Software
By Klaus Wuestefeld
1) Torne-se excelente.
Seja realmente bom em alguma coisa. Não fique só choramingando ou
querendo progredir às custas dos outros. Não pense q pq vc sentou 4
anos numa faculdade ouvindo um professor falar sobre software q vc
sabe alguma coisa. Jogador de futebol não aprende a jogar bola tendo
aula. Ele pratica. Instrumentistas geniais nao aprendem a tocar tendo
aula. Eles praticam. Pratique. Chegue em casa depois do trabalho e da
aula e pratique. No final de semana, pratique.
Crie seu próprio virus, seu proprio jogo, seu proprio SO, seu proprio
gerenciador de janelas, seu proprio webserver, sua propria VM, qq
coisa. Varias coisas.
Nao precisa ser só programacao. Pode ser networking, vendas, etc. Só
precisa ser bom mesmo. Tenha paixão pela coisa.
As melhores praticas do mercado sao polinizadas primeiro nos projetos
de software livre. Aprenda com eles.
Discípulo, Viajante, Mestre: Primeiro seja um discipulo, tenha mestres
locais, aprenda alguma coisa com alguem realmente bom, qq estilo.
Depois viaje, encontre outros mestres e aprenda o estilo deles. Por
fim, tenha o seu estilo, tenha discípulos, seja um mestre.
Vou fazer o curso da Mary Poppendieck em SP semana q vem e qdo tiver o
curso de Scrumban do Alisson e do Rodrigo quero fazer tbem.
"Torne-se excelente" tbem pode ser chamado de "Melhoria Continua" ou "Learning".
2) Não seja deslumbrado.
Desenvolvimento de software é a mesma coisa há 60 anos: modelo
imperativo. Há 30 anos: orientação a objetos. Bancos de dados
relacionais: 30 anos. ("Web", por exemplo, não é uma tecnologia ou um
paradigma. É meramente um conjunto de restrições sobre como
desenvolver e distribuir seu software).
Não corra atras da ultima buzzword do mercado. Busque a essência, os
fundamentos.
Busque na wikipédia e grokke: determinismo, complexidade de algoritmos
"O()", problema de parada de turing. Pronto, pode largar a faculdade.
Falando sério.
Trabalhe com software livre. Não dê ouvidos a grandes empresas,
grandes instituições ou grandes nomes só pq são grandes.
Vc acha q vai aprender mais, ter mais networking e mais chance de
alocação no mercado trabalhando em par comigo no Sneer por um ano, 8h
por semana, ou passando 4 anos na faculdade, 20h por semana, pagando
sei la qto por mes?
Vc acha q vai aprender mais trabalhando em par com o Bamboo 6 meses na
linguagem boo e na engine do Unity ou fazendo um ano de pós em "a
buzzword da moda"?
"Nao seja deslumbrado" tbem é conhecido como "Coolness".
3) Mantenha-se Móvel.
Com a demanda q temos hoje no mercado, se vc é desenvolvedor de
software e n consegue negociar um contrato com uma empresa onde vc é
pago por hora e pode trabalhar qtas horas quiser com um minimo de meio
periodo, vc precisa rever a sua vida.
É melhor ter dois empregos de meio-periodo q um de periodo integral,
pq vc pode largar um deles a qq momento.
Vc nunca vai conseguir nada melhor se nao tiver tempo, se nao tiver
disponibilidade pra pegar algo melhor qdo aparecer.
Vc sustenta seus pais e 7 irmaos? Nao. Entao para de ser ganancioso e
medroso no curto prazo, para de pagar facu, mestrado, pós, MBA,
sei-la-o-q e vai aprender e empreender.
Trabalhe remoto. Não é o mais fácil, mas é perfeitamente possível.
Não fique reclamando q está trabalhando demais. Aumente seu preço e
trabalhe menos.
4) Emparceire-se Promiscuamente.
Participe de dojos, de congressos, de projetos de software livre.
Tenha amigos, colegas, conhecidos. Seja conhecido. Nao faça ruído em
seis projetos e doze fóruns. Ajude de verdade em um ou dois projetos
de cada vez. Ao longo do tempo, vc terá ajudado em varios projetos,
trabalhado em varias empresas.
5) Mentalidade de Abundância.
Ajude seus amigos sem cobrar (a "camaradagem" do Vinícius). Dê
palestras gratuitas. Cursos gratuitos. Participe de projetos de
software livre.
Pare as vezes uma tarde pra receber um amigo seu e explicar seu
projeto. Vá visitar seus amigos nos projetos deles. Viaje com algum
amigo seu pra visitar um cliente dele, só pra conversar e fazer
companhia.
Vc tem um espaço onde dá cursos? É uma Aspercom, Caelum da vida? Chama
os brothers p dar curso. Porra, bola um modelo em q as pessoas podem
se inscrever para cursos variados, pagando um sinal, e mantém tipo uma
agenda pre-combinada: "Será numa terça e quinta a noite, avisadas com
duas semanas de antecedencia". Se rolar, beleza, se depois de meses
nao der quorum, devolve o sinal. Pode ser curso de Prevayler, de
Kanban, de Scrum, de Lean, de Comp Soberana, de Restfulie, de
Cucumber, de Rails, de Teste Automatizado Mega-Avançado, qq coisa.
Chame amigos seus pra dar curso em dupla com vc. Divida clientes.
Divida projetos, mesmo q nao precise de ajuda.
Dizia o pai de um brother meu de infância: "Tudo q custa dinheiro é barato."
6) Busque modelos de custo zero.
Trabalhe em coisas q tem custo administrativo/burocratico/manutencao
zero. Por menos ganho q tragam, depois de prontas, estarao tendo uma
relação custo/beneficio infinitamente vantajosa.
7) Ganhe notoriedade.
Faça coisas massa. Participe de projetos de software livre. Dê
palestras gratuitas. Promova eventos (dojos, debates, grupos de
usuarios, etc).
By Dairton Bassi:
8 - Não tenha medo!
Meta a cara. Arrisque empreender. Arrisque inovar. O que você tem a perder? No máximo um emprego, mas isso pode ser revertido facilmente em um mercado aquecido como o atual. O pior que pode acontecer é não dar certo. Mesmo assim você terá aprendido muito mais do que batendo cartão.
Saia da zona de conforto. Se o seu trabalho estiver fácil e sob controle, isso significa que ele não está mais agregando para a sua evolução técnica e pessoal.
Não desperdice a chance de trocar de função se a nova oportunidade for mais desafiadora. Isso fará você crescer tecnicamente e o preparará para desafios maiores ainda. Conhecer pessoas novas é tão importante quanto manter-se em contato com código.
Não se detenha por insegurança ou pela sensação de despreparo. Como você acha que vai ganhar experiência em alguma coisa se sempre adiá-la?
@guilhermesilveira
Copy link

guilhermesilveira commented Aug 31, 2010

É tão dificil encontrar alunos comprometidos quanto funcionarios comprometidos.
É tão dificil encontrar um ambiente de faculdade que sabe motivar quanto uma empresa que sabe motivar.
É tão dificil encontrar uma faculdade brasileira que inovou quanto uma empresa brasileira que inovou.

Todos os argumentos aplicados a um ambiente de faculdade até então valem para uma empresa. O próprio texto cita isso: "mude de empresa".

Exemplos de tecnologia brasileira? A tecnologia que a Petrobrás usa que é pesquisada na PUC-rio acho que é um bom exemplo de ponta de linha de tecnologia.

Não é o ambiente que faz a pessoa. Que é justamente o que o texto prega: independente de faculdade ou de empresa, seu crescimento depende de você ser ativo.

@klauswuestefeld
Copy link

klauswuestefeld commented Aug 31, 2010

Oi Galera, Bani, Academicos,

O contexto de onde o Vinicius tirou o texto eh um conjunto de atitudes pra hackear a industria de software. Nao serve pra dentistas, advogados, etc. Tbem n serve p academicos. Se o barato de alguem eh academia, eh simplesmente outro caminho. Postem um conjunto de atitudes pra hackear a academia.

@reinyjunior
Copy link

reinyjunior commented Sep 10, 2010

Olá pessoal!
Acredito que qualquer ambiente capaz de motivar e educar, será muito positivo para uma pessoal de forma geral, seja uma faculdade ou uma mesa de bar, cabe o aprendiz a sabedoria previa para discernir isso, dar um veredicto dizendo "Faculdade e bom" ou "Faculdade e ruim" tem um escopo muito limitado (eu sei que o artigo não se trata disso, só referenciando a discussão nos comentários acima :) ), isso e muito subjetivo, depende de muitas variáveis.

Eu não fiz faculdade, e sinceramente não sinto falta, mais cada caso e um caso, e difícil definir !

@julioprotzek
Copy link

julioprotzek commented Sep 16, 2010

Muito bom :)

@boaglio
Copy link

boaglio commented Oct 21, 2010

Klaus polêmico como sempre, mas nesse caso eu concordo com o post da Bani.

Se não fosse a Universidade de Illinois ter criado o web browser Mosaic em 1993, provavelmente eu nunca leria essa thread =)

@alyssonbruno
Copy link

alyssonbruno commented Mar 3, 2011

Somente hoje vi este texto, é um bom o texto, mas essa visão do pessoal sobre faculdade é muito distorcida (mesmo a visão do autor), sobre isso já comentei em meu blog (quem quiser dá uma olhada e comentar por lá também fique à vontade), mas me pergunto se o cara pode aprender tudo o que se aprende na faculdade só pela internet?

@cmilfont
Copy link

cmilfont commented Jul 3, 2011

alyssonbruno
"mas me pergunto se o cara pode aprender tudo o que se aprende na faculdade só pela internet?"
Pode!
http://www.milfont.org/tech/2011/07/03/mas-me-pergunto-se-o-cara-pode-aprender-tudo-o-que-se-aprende-na-faculdade-so-pela-internet/

@acdesouza
Copy link

acdesouza commented Sep 23, 2011

Se você acha que o texto é Universidade x Empresas, só prova que esse argumento, que não é desenvolvido no texto, é válido, pois vocês não sabem nem interpretar textos.

@embatbr
Copy link

embatbr commented Aug 21, 2013

Realmente excelente!
Muita coisa que vai ajudar, não hoje, mas nos próximos 30 anos da sua vida!!

@emoreth o mais completo seria "para o resto da sua vida".

@RobertoRodrigues
Copy link

RobertoRodrigues commented Feb 1, 2014

Esse é o texto que eu queria ter lido quando entrei na Universidade.

Mas... acrescentaria uma fala do @akitaonrails no vídeo do DojoRio para os calouros da UFF de 2011. “Entendam que o que você vai fazer na faculdade não é tudo, é muito pouco!” E um complemento de minha parte... “Ela tem muito mais a oferecer”. E é aí que concordo com: @guilhermesilveira, @bani, @peas, @monoman
e com @MayogaX.

Tive excelentes Mestres na Universidade, para não ser injusto vou citar apenas 3, não pela relevância de seus trabalhos, eu nem me arriscaria a fazer isso, mas sim por suas influências em minha vida profissional: Luciano Digiampietri, Fábio Kon e Alfredo Goldman, mas mestres mesmo, eu encontrei no SL (software livre) e no trabalho. Acho que isso tem muito a ver com os afazeres da universidade, gostaria de ter tido mais contato com eles, mais feedback, mas oportunidades sei que não faltaram.

Queria uma Escola diferente, mais próximas de nossa comunidade, tive um privilégio em minha vida acadêmica que foi o contato com o SL, lá tive a oportunidade de conhecer, conversar e interagir, cada vez mais, com todas as pessoas citadas no texto, algumas dos comentários e muitas outras que não estão na discussão, entre elas meus mestres atuais.

Escrevo isso para o meu primo, ele hoje acabou de entrar na Universidade, mas queria compartilhar com mais gente, apresentei essas mesmas ideias para os calouros na Aula Magna de meu curso ano passado, fiz um reforço de SL com o CCSL-USP, que é um elo forte com a comunidade e o vídeo Dojorio: muito além do código!, http://vimeo.com/20473572 , espero que tenha feito o certo, espero que meu comentário seja útil.

Sign up for free to join this conversation on GitHub. Already have an account? Sign in to comment